domingo, 23 de dezembro de 2018

Pensatas de Domingo. Hora de balanços... hora de pensar...


Estamos chegando ao fim do ano. Época para balanços e questionamentos. Tenho pensado muito em como serão as coisas em 2019. Bem, um governo de direita como o que vem ai é algo estranho. Muito estranho! Desde o fim da ditadura estamos a viver numa “democracia”, embora manca, mas uma “democracia”.

Também é uma época de falsas, e, em alguns casos raros, verdadeiras esperanças, de um delírio coletivo pela felicidade e pelo “gozo”... sim, o gozo generalizado numa suruba ampla, geral e irrestrita. As origens do natal, mesmo suas origens reais, religiosas dissipam-se na farra desenfreada do capitalismo que tudo reduz a meros presentes materiais, numa verdadeira aposta/corrida do “quem dá mais!”...

Mas para mim, o fim de ano é mesmo fazer um balanço do que fiz, e, o mais importante: conseguirei fazer melhor no próximo ano? Contribuirei para que não somente eu, mas as pessoas mais próximas consigam melhorar? Isso tudo é um desafio, um verdadeiro embate com o futuro.

Agora já é natal... breve será o ano novo... momentos em que toda esta ilusão abstrata de um “amanhã melhor” aparecem com toda força e ilusão. Vamos pensar que não é apenas neste momento, mas a cada dia que acordamos, devemos torcer para que as coisas melhorem. E torçamos para isso!

Felicidades!


quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Quem estão tentando esconder?


Fica evidente que provas possam estar a desaparecer para que alguns suspeitos também possam não aparecer! Trocando em miúdos: gente importante pode estar envolvida no assassinato de Marielle Franco... e precisamos estar atentos a isto.


quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Caso Marielle: suspeita do sumiço de provas complica investigações


A investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco, morta com o motorista Anderson Gomes em 14 de março deste ano teve mais um problema.
  
Segundo o jornal O Globo, o Ministério Público estadual que deve trabalhar em conjunto com a polícia, rompeu relações com a Delegacia de Homicídios (DH) por não concordar com os rumos que o inquérito estaria tomando. Entre outros problemas, existe a suspeita de que imagens importantes registradas por câmeras de segurança que poderiam ajudar na resolução do crime tenham sumido do departamento de polícia.
  
A suspeita do desaparecimento de evidências só consolida divergências que estiveram presentes desde a fase inicial da investigação. Nos últimos meses, a 23ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal (PIP), com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), conseguiu novos dados da investigação do crime. Porém as duas promotoras responsáveis pelo caso mantêm as novas informações em sigilo.
  
Cobrado por resultados o delegado Giniton Lages, titular da DH, adotou a estratégia de prender pessoas com mandados expedidos por outros crimes, mas que podem ter relação com o caso Marielle.
Na última terça (18), Renato Nascimento Santos, o Renatinho Problema, foi preso com mandados de prisão por outros dois homicídios. Ele seria o braço direito de Orlando de Curicica, que está no Presídio Federal de Mossoró.


Tipificando...


domingo, 16 de dezembro de 2018

Pensatas de Domingo. Verdades e mentiras


No dia 14, publiquei neste Bogue uma postagem sobre os nove meses do assassinato de Marielle Franco e do motorista Anderson Pedro Gomes, e insistia que as conclusões são poucas e pouco convincentes. Dois dias depois, continuo a achar a mesmíssima coisa, apesar de tentarem dizer que não!

Alegam que uma testemunha revelou à polícia que o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o chefe de milícia de Curicica, Orlando Oliveira de Araújo, tramaram as mortes dos dois. Mas esta história não é de hoje! Prosseguindo: em quatro depoimentos — um feito à Polícia Federal, dois ao Exército, e outro à Delegacia de Homicídios (DH) — a citada (e desconhecida) testemunha disse ter presenciado quatro conversas entre Siciliano e Orlando, conhecido como “Orlando de Curicica”, desde junho de 2017. Quatro meses depois, Orlando foi preso, mas mesmo de dentro de Bangu 9 continuou a mandar na milícia. Em uma das conversas, a testemunha disse que Siciliano encontrou Orlando, que já estava foragido, e xingou Marielle, associando seu nome ao do deputado estadual Marcelo Freixo (1). Na ocasião, disse: "precisamos resolver isso logo". 

Segundo a versão, foi de dentro da penitenciária que Orlando teria dado a ordem para matar a vereadora. Um mês antes da execução, o plano começou a ganhar corpo com a clonagem do carro utilizado no crime. Além disso, quatro homens foram indicados para participar da execução.

A testemunha não soube afirmar com certeza qual seria o motivo da rixa entre Marielle e Siciliano. Mas disse que supõe que tenha sido a expansão das ações comunitárias da vereadora em comunidades na Zona Oeste, áreas majoritariamente dominadas pela milícia, algumas ainda sob influência do tráfico. Investigadores da DH descartaram a hipótese de queima de arquivo na morte do PM reformado Anderson Claudio da Silva, 48 anos, atingido por tiros de fuzil no Recreio dos Bandeirantes.

Inicialmente, a testemunha procurou a Polícia Federal e foi encaminhada para a Polícia Civil. Apesar dos depoimentos, ela ainda não entrou no programa de Proteção à Testemunha, pois seus relatos ainda não foram feitos judicialmente. A testemunha informou a policiais que estava saindo do Rio de Janeiro.

Na época da morte de Marielle, Siciliano divulgou uma nota de luto. "Durante o tempo em que esteve conosco, ela fez tudo pela sua localidade e estava sempre disponível para ajudar no que fosse necessário. Me solidarizo com a dor dos familiares e amigos. Podem contar comigo para ajudar no que for preciso", disse o parlamentar.
Em nota, Sicilliano negou as acusações. "Expresso aqui meu total repúdio a acusação de que eu queria a morte de Marielle Franco. Ela é totalmente falsa. Não conheço 'Orlando da Curicica' e acho uma covardia tentarem me incriminar dessa forma. Marielle, além de colega de trabalho, era minha amiga. Tínhamos projetos de lei juntos. Essa acusação causa um sentimento de revolta por não ter qualquer fundamento. Eu, assim como muitos, já esperava que esse caso fosse elucidado o mais rápido possível. Agora, desejo ainda mais celeridade".

Gente, li tudo isso fazem alguns meses. Não quero dizer com isso que não tenham sido eles os autores da bárbara ação. Pelo menos, até o momento foi o que de mais possível e crível foi divulgado. Mas sabemos o que o poder das milícias e sua força política é capaz de ocultar evitando que se cheguem aos verdadeiros mentores e executores do que de fato ocorreu no Estácio, na sangrenta noite de 14 de março deste ano. Afora o sigilo que cerca a investigação que não permite que se saia aos quatro ventos falando de nomes suspeitos com a finalidade de não afugentá-los. Isso procede e nos obriga a uma espera mais paciente.

O que virá por aí?

1. Freixo também foi ameaçado de morte esta semana, porém o plano para matá-lo foi descoberto a tempo.


O presidente mais burro da história!




Não é piada não, gente, mas o sujeito acima, o “presidente” no qual em seu governo foi editado o AI-5, o general Arthur da Costa e Silva é considerado o mais burro de todos os presidentes em nossa história. Mais do que o também general Eurico Gaspar Dutra, que apesar de milico não foi ditador, mas tinha a fama de burro. Daí o tal caso em que o presidente dos EUA, cujo nome era Truman ao cumprimentá-lo disse: “How do you do Dutra?” e ele respodeu: “How tru you tru Truman?”. Uma piadinha que passou pra história.
Mas chegando ao general-presidente Costa e Silva tem um caso que não é piada, foi real, muito embora na pareça: ao fazer um discurso ele disse empolgado: “O Brasil estava à beira do abismo... mas veio a “revolução” e demos um passo à frente!”. (pano rápido)...