terça-feira, 25 de novembro de 2008

Palavras de um gênio

Mais uma publicada no “Pensatas”. Mais precisamente em 2 de agosto de 2007. E como estou nesta fase de reeditaro que consider o as melhores postagens, aqui vai.

Sempre fui um grande admirador da figura cômica de Groucho Marx (nascido Julius Henry Marrix), um dos gênios do humorismo no século XX, que ficou famoso por suas frases irônicas. Afirmava numa delas “ser o menos marxista dos Marx”.Juntamente com seus irmãos Chico, Harpo, Gummo e Zeppo*, compôs o grupo que marcou com cenas inesquecíveis em filmes como: Uma noite na ópera, Casa de doidos, Diabo a quatro, No circo e outros.
Invariavelmente Groucho começava seus shows com uma outra frase memorável. Apresentava-se como uma pessoa que veio da Europa para fazer fortuna no novo mundo, e dizia que desembarcara em Nova Iorque, 30 anos antes, sem nem um dólar no bolso. Fazia uma breve pausa encarando o público. Em seguida, retirava do bolso uma moeda, e a exibia com um sorriso: “... agora eu tenho um dólar...”
Mas existem outras frases famosas. Pincei algumas que seguem abaixo:
“Jamais aceitaria pertencer a um clube que me aceite como sócio.”
“Estes são os meus princípios. Se você não gostar, eu tenho outros.”
“Passei uma noite maravilhosa. Mas não foi esta.”
“Bebo para achar as outras pessoas interessantes.”
“Só há uma forma de saber se um sujeito é honesto: perguntando. Se ele responder que ‘sim’, fique sabendo que é um corrupto.”
“Sou tão velho que conheci a Doris Day antes dela ser virgem.”
“Filho, a felicidade é feita de pequenas coisas: um pequeno iate, uma pequena mansão, uma pequena fortuna...”
“Não pense mal de mim, senhorita. Meu interesse por você é meramente sexual.”
“O matrimônio é a principal causa do divórcio.”

(*) Chico e Harpo foram os que mais realizaram filmes com Groucho. Havia um sexto irmão de nome Manfred que morreu ainda na infância.

11 comentários:

gauchescas disse...

Foi mesmo um gênio. Fico pasma com certas tiradas do guapo!

Jonga Olivieri disse...

Ieda querida, o 'guri' é tão bom nisso que já estou a selecionar outras matérias sobre ele.
Pretendo publicá-las em série.

jr disse...

Me lembro bem de Uma Noite na Ópera. Uma comédia muito boa que mostra o quanto gênio ele foi. e as frases nem se fala.

Anônimo disse...

Bebo pra achar interessantes as outras pessoas é uma frase inolvidável.
Vi pouca coisa dele nos cinemas. Mas vou ver se pego em locadoras.
Otávio

Jonga Olivieri disse...

Filmes dos Irmãos Marx são fora de série. E Groucho, como o grande mentor intelectual do grupo, era o responsável por todas as irresponsabilidades.
Por isso, vejam os filmes e leiam os livros. Ele merece...

Stela B. de Almeida disse...

Adorei a dica. Sabe dizer o primeiro filme dos irmãos? qual o que vc. considera melhor? esta semana um amigo estava me falando sobre esta produção e ficou de enviar-me o que encontrar. Uma excelente idéia publicar em série.

Jonga Olivieri disse...

Sim Stela. Talvez até o André possa lhe dizer melhor do que eu, mas o primeiro filme dos Irmãos Marx perdeu-se, e parece que não chegou a ser exibido. Trata-se de “Humor Risk” (1920). De fato eles deixaram a Broadway, em 1924, para iniciar a carreira no cinema, onde começaram, na Paramount com o filme “Cocoanuts”.
Ainda na Paramount fizeram “Diabo a quatro”, mas na Metro realizaram o que considero os seus melhores e mais conceituados filmes que são “Uma noite na ópera’ e “No circo”. Mas existem outros (que até eu não vi) que são muito aclamados.
Quanto á publicação em série, estarei nos próximos dias relançando pelo menos mais dois artigos que publiquei no antigo “Pensatas”, principalmente sobre Groucho.

maria disse...

Que barato! Ele era muito bom. Eles eram muito bons.
É uma pena que eu conheça tão pouco. Mas aguçou a minha curiosidade de assistir mais e mais filmes deles.

Jonga Olivieri disse...

Claro que você não pode conhece tão bem os Marx Brothers.
Afinal eles não são do seu tempo, o que quer dizer: você não é tão velha assim, né mesmo Maria?

André Setaro disse...

Sim, meu caro Jonga, você acertou. O primeiro filme dos Irmãos Marx foi, realmente, "Humor Risk", de Richard Smith, de 1921, cujos negativos se perderam e poucos aqueles que o viram. Esperaram 8 anos para a realização de um outro filme, "No Hotel da Fuzarca" ("The Cocoanuts", 1929), de Robert Florey, e, a partir daí, o início de uma fulgurante carreira. Seus melhores filmes, na minha opinião, são "O diabo a quatro" (de grande surrealidade), cujo original é "Duck Soup" (1933), do genial Leo McCarey, "Uma noite na ópera" ("A Night at the Opera", 1935), de Sam Wood, e, também deste (embora os autores do filme estejam nos comediantes, principalmente Groucho), "Um dia nas corridas" ("A Day at the Races", 1937), entre mais alguns. "Copacabana", que vi recentemente na televisão a cabo, com Carmem Miranda, achei bem mais fraco. Em 1968, Groucho, já em idade provecta, faz o papel de Deus (sim, Ele mesmo!) em "Skidoo", de Otto Preminger. Considero os Irmãos Marx gênios insuperáveis da comédia, artistas do primeiro grau.

Jonga Olivieri disse...

Também considero "Diabo a quatro" um grande filme. O Groucho como presidente e o Harpo como o seu motorista proporcionaram gags inesquecíveis.
Quanto a "Copacabana" também o vi na TV (Telecine) e considero mais fraco.