segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Socialismo ou barbárie?

Em janeiro de 1919, a polonesa Rosa Luxemburgo foi assassinada por um grupo de militares durante a repressão ao levante da “Liga Espartaquista”, o setor à esquerda da social-democracia alemã, e então embrião da III Internacional naquele país.
Foi ela quem expressou da forma mais clara o dilema a ser enfrentado: “socialismo ou barbárie”. Marx já havia formulado uma primeira versão da idéia de que num momento, ainda não determinado, a sociedade seria forçada a fazer escolhas com relação à ordem social a ser adotada, de forma a determinar o próprio futuro da humanidade.
Quando Rosa Luxemburgo alinhavou e concluiu este raciocínio, o imperialismo estava em seu ápice. Refletindo sobre o alcance filosófico e político de “socialismo ou barbárie”, a história é percebida como um processo aberto com uma série de caminhos onde a consciência, organização e iniciativa dos oprimidos torna-se decisiva. Ou a saída rumo ao socialismo ou a outra face, a da barbárie.
Através desta expressão, Rosa Luxemburgo indicava tratar-se de uma barbárie moderna, que a então recente Grande Guerra na Europa oferecera um exemplo tão mais devastador, na sua desumanidade assassina. Pois nunca antes, tecnologias modernas haviam sido empregadas a serviço de uma política de massacre e de agressão tão cruel.
Para além disso, hoje apresenta-se uma nova ameaça, o risco de uma catástrofe ecológica resultante da expansão capitalista mundial, a destruir incessantemente o meio-ambiente em busca do lucro desenfreado. Uma nova face da barbárie, que, caso não seja interrompida será uma corrida acelerada rumo ao abismo.

8 comentários:

gauchescas disse...

Uma das maiores expressões para definir o mundo que vivemos, "Socialismo ou Barbárie" nos mostra claramente a realidade desta última como definição dos dias de hoje.
Acho Rosa Luxemburgo uma grande pensadora marxista de todos os tempos.

Jonga Olivieri disse...

Mas sem sombra de dúvidas!

jr disse...

Êta você, este eterno defensor do marxismo.

Jonga Olivieri disse...

Sempre que possível...

maria disse...

Não conhecia Rosa Luxemburgo antes de começar a ler este blog.
Aliás, muitas coisas, não é mesmo?

Stela B. de Almeida disse...

O socialismo não é, propriamente, um problema de comer com faca e garfo, mas um movimento de cultura, uma grande e poderosa concepção do mundo.
Carta de Rosa Luxemburgo a Franz Mehring (Fevereiro/1916)

Parabéns pela postagem!

Jonga Olivieri disse...

Mas cada vez conhece mais, Maria. E isto é o que importa, porque em breve estará assinando. É assim que a coisa funciona.

Jonga Olivieri disse...

Belas palavras de Rosa a Franz Mehring, que junto com ela, Karl Liebknecht e Clara Zetkin, formaram a importante Liga Espartacus.
Aliás, nos escritos de “A crise da social-democracia” redigido em 1915na prisão, Rosa Luxemburg sustenta a idéia de que "a classe operária moderna paga caro cada compreensão nova da sua missão histórica", referindo-se à carnificina entre trabalhadores de diferentes países na Grande Guerra.
Quanto à postagem, obrigado Stela. Vindo de você um elogio tem mais valor.