sexta-feira, 12 de setembro de 2008

O fato e a versão do fato

Esta semana completaram-se sete anos do atentado às torres gêmeas com dois jatos em Nova Iorque. Um ato de proporções poucas vezes visto. Algo tão espetacular e cinematográfico quanto os melhores filmes-catástrofe produzidos pela indústria hollywoodiana.
Um terceiro avião sequestrado dirigiu-se ao Pentágono completando a sua missão de bombardear o seu alvo. Há, no entanto, um acontecimento neste dia que ficou extremamente mal contado. Havia uma quarta aeronave. O que de fato aconteceu com ela?
Recordo-me perfeitamente, que, no mesmo dia 11 de setembro de 2001, foi noticiado que a Força Aérea estadunidense havia derrubado outro avião, que, segundo se supunha teria como objetivo colidir com, nada mais nada menos do que a Casa Branca.
Surgiu logo em seguida uma versão de que este veículo foi derrubado pelos próprios passageiros, que, num ato patriótico e desprendido (kamikaseano), sacrificaram as próprias vidas, evitando assim que fosse atingido o seu objetivo. Foi até produzido um filme (1) vangloriando a atitude de tais “heróis anônimos”.
Verdade ou mentira? Bom, a realidade é que a primeira notícia desmente a segunda. Naquela, jatos da US Air Force o atingiram, eliminando os terroristas. Mas, vejam bem, matando também seus compatriotas. A versão, que deve ter sido rapidamente elaborada pelos “marqueteiros” da CIA e do governo Bush, foi prontamente divulgada e tornada oficial.
Como noticiar de forma calamitosa que pereceram 2.602 pessoas (2) nas torres, quando a própria defesa ianque liquidou mais de uma centena de patrícios naquele vôo? Esta pergunta, sem dúvida, iria ficar no ar.
Mais uma vez, ficou provado que o que vale não é o fato, mas a versão do fato.

(1) “Vôo 93” é o nome do filme que narra a versão oficial.
(2) Somente no Iraque, uma média de 1.020 civis morrem por mês, em consequência de atos terroristas do governo dos Estados Unidos.

11 comentários:

ieda disse...

O 11 de setembro tem suas contradições.
Até hoje é comentado que as próprias autoridades sabiam que ia acontecer alguma coisa.
A questão é que ninguém (talvez a própria Al Qaeda) supunha que poderia ter um final tão, usando as tuas pr´prias palavras: espetacular.

Anônimo disse...

Ouvi esse papo uma vez. Parece que alguém também ouviu ou viu uma notícia assim, só não me lembro quem.
Otávio

jr disse...

Um caso intrigante. Mas como e onde você ouviu esta notícia? Eu não me lembro.

Jonga Olivieri disse...

Isso também é muito comentado.
Dizem que sabiam que ia acontecer e deixaram correr para depois empreender o revide, como aliás ocorreu.
O que não sabiam é que ia ter as consequências que teve.

Jonga Olivieri disse...

A notícia rolou até na TV.
Eu me lembro de ter sabido disto assistindo alguma emissora, só não me recordo qual.

maria disse...

Assisti este filme esta semana na TV. Será que é tudo mentira?

Anônimo disse...

Há controvérsias.

Jonga Olivieri disse...

Não posso afirmar isto, embora a história seja uma ficção completa, pois não houve sobreviventes.
O que eu garanto é que vi a notícia da derrubada do vôo 93 por caças naquele 11 de setembro de 2001.
Depois veio a outra versão.

Jonga Olivieri disse...

Sim anônimo, há controvérsias...

André Setaro disse...

"A destruição das torres gêmeas", que ocorreu no dia 11 de setembro de 2001, é o melhor 'disaster-movie' que já vi. Supera em muito 'Inferno na torre', com Paul Newman e Steve McQueen.

Jonga Olivieri disse...

Sim, também assisti.
Mas o filme a que me refiro é outro. Trata-se de "Vôo 93".