terça-feira, 21 de outubro de 2008

Um novo holocausto*

Mais de 650.000 civis iraquianos (2,5 por cento da população do país) morreram desde o início da ofensiva dos EUA no país (março de 2003), segundo cálculos levantados por especialistas da Universidade de Bagdad, publicados na segunda semana de Outubro pela revista médica britânica The Lancet. Uma trágica média de 130.000 vítimas por ano.
Apesar de em números absolutos os índices serem bem menores no Afeganistão, o número de civis assassinados em bombardeios no Afeganistão triplicou entre 2006 e 2007, segundo informe publicado pela organização Human Right Watch. Além disso, os erros nas operações que causam centenas de mortes de civis aumentam a repulsa da população quanto à presença de tropas estrangeiras no País.
A organização afirma que em 2007, mais de 1.700 civis foram mortos em ataques. A cifra foi divulgada no momento em que se discute o que ocorreu durante uma operação realizada no dia 22 de agosto, quando um bombardeio estadunidense matou dezenas de civis na localidade de Azizabad, a maior parte mulheres e crianças, enquanto o comando militar ianque alega ter matado de 30 a 35 talebãs, e apenas cinco ou sete civis.

(*) Holocausto: sm (gr holókauston) 1. Sacrifício entre os judeus e outros povos, em que a vítima era totalmente queimada. 2. A vítima assim sacrificada. 3. Sacrifício, imolação (fonte Michaelis).

8 comentários:

gauchescas disse...

Os números do Iraque impressionam pela quantidade.
Um verdadeiro holocausto, superior inclusive ao de vítimas do extermínio de palestinos em Israel.

jr disse...

Pensando bem, meu caro Jonga, 130.000 pessoas por ano é muita gente. Tem muita cidade que não tem essa população.
Mas qual é a população do Iraque/

Jonga Olivieri disse...

Os números da matança em Israel são um pouco mais do que os do Afeganistão. Só que por muito mais tempo...

Jonga Olivieri disse...

O Iraque tem cerca de 27 milhões de habitantes.

maria disse...

130 mil por ano é um número de assustar. É muita gente!
E este é o preço do petróleo.

Jonga Olivieri disse...

É um preço alto mesmo!!!

Anônimo disse...

Apavorantes esses números dos mortos no Iraque. É uma verdadeira carnificina. Agora, não é defendendo ninguém, mas aqueles carros-bombas suicidas tem peso nestes números, certo?
Otávio

Jonga Olivieri disse...

Certamente que os carros bombas com suicidas estão nestes números.
O que não isenta os ianques de culpa. Ou você acha que isenta?